Notícias de Beleza

Roer unhas: um péssimo hábito para a sua vida (inclusive profissional)

getty rf photo of man biting nails needs nail care

Entre as atitudes que podem ser mal-vistas em uma reunião de trabalho, está o hábito de roer unhas. Que todos nós temos manias, isto é evidente, mas o ambiente de trabalho não pode ser visto como uma extensão da sua casa, em que você pode ficar tão à vontade a ponto de passar uma hora falando com o seu chefe com os dedos na boca e cuspindo pedaços de unha no ar.

E, além de deixar seu chefe e seus colegas com uma má impressão a seu respeito – de que você é muito ansioso, por exemplo, e não consegue lidar com pressões, ou que não se preocupa tanto assim com sua higiene -, quem morde, rói ou até mesmo come as unhas pode ter problemas de saúde, afinal de contas, as mãos carregam vírus e bactérias a todo o momento.

- Quem tem o hábito de colocar a mão na boca constantemente para roer as unhas pode sofrer contaminação e depois desenvolver doenças como gripes e resfriados, infecções intestinais e verminoses. Nas unhas, o trauma repetitivo próximo da matriz da unha pode fazer inclusive cicatrizes irreversíveis – esclarece a dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia Lauren Morais.

Roer unhas também pode estar associado a problemas de ansiedade. É uma manifestação cutânea, assim como arrancar os cabelos ou coçar e beliscar uma determinada área da pele. De acordo com a dermatologista, além de descobrir a causa do problema, há medicamentos com gosto desagradável que, colocados na unha, inibem a ação.

Confira as dicas reunidas pelo site Minha Vida para parar de roer unhas

1. Identifique os momentos que despertam a mania
Roer as unhas é um alerta de ansiedade. Para lidar com o sentimento sem destruir a aparência das mãos, que tal mapear os momentos em que você entra em crise?
- Repare se isso acontece numa reunião de trabalho, no trânsito ou na hora de tomar qualquer decisão importante – afirma a psicóloga Idáira Amoretti Santos, de Santa Catarina.
Sabendo o que causa o problema, é hora de aprender a lidar com ele: você pode inventar a sua própria maneira ou buscar ajuda de um terapeuta, caso ache que será difícil acabar com a mania por si só. Mas o segredo está no autoconhecimento.

2. Mantenha as unhas curtas e lixadas
Manter as unhas curtas e lixadas evita que elas se enganchem em roupas ou objetos, inibindo aquela vontade incontrolável de arrancar o pedacinho lascado – e aí dar início à roedura sem fim. Além disso, conservá-las assim dificulta o acúmulo de micróbios, sujeira e produtos químicos, explica o dermatologista Octávio.
- Quem tem unhas fracas também deve evitar o uso de acetona, que aumenta a porosidade e só piora o problema – explica o médico.

3. Faça as unhas semanalmente
Manter as unhas feitas é um grande incentivo para as mulheres pararem de roê-las. No caso dos homens, o efeito depende do uso de base: o produto, além de dar gosto ruim às unhas, deixa a superfície delas mais lisa e dificulta o atrito com os dentes. Mas reserve uma semana por mês para deixar as unhas sem esmalte.
- O uso constante de acetona leva a à descamação da unha – afirma o dermatologista.

4. Teste o esmalte com gosto ruim
O uso do esmalte com gosto ruim ajuda a lembrar que roer as unhas não está com nada. Ao levar as mãos à boca – ato impulsivo na maioria das vezes -, o sabor amargo serve como lembrete de que é melhor parar já com isso.
- Chega um momento em que a pessoa perde a consciência de que está roendo suas unhas, e o esmalte pode ajudar neste processo – afirma a psicóloga Idáira.
Antes de comprar o produto, no entanto, peça indicação de um dermatologista e se previna contra problemas relacionados à ingestão.

5. Tente unhas postiças
Existem dois tipos de unhas postiças: as compradas prontas e as que são moldadas sob medida. Nos dois casos, a estratégia é criar uma barreira sobre a superfície original e dificultar a vida de quem está acostumado a roer as unhas. Mas, assim como o esmalte de gosto ruim, o uso pede cautela.
- A aplicação constante pode alterar a estrutura das unhas e deixá-las fracas. Isso pode levar à descamação e até causar infecções – afirma o dermatologista.

6. Mastigue um chiclete
O chiclete não é solução, mas ajuda a dar uma folga para as unhas. O movimento repetitivo, quase inconsciente, também pode funcionar como uma válvula de escape para a ansiedade.
- Mas a solução definitiva só vem quando você entende o que desperta a ansiedade e descobre maneiras de aliviar as crises – afirma a psicóloga Idáira.

7. Extravase a ansiedade
Roer as unhas é uma atitude de defesa contra a ansiedade, por isso, maneiras de aliviar este sentimento ajudam a combater o mau hábito. A prática de exercícios físicos ou de atividades relaxantes, seja ouvir um CD ou escrever num blog, ocupa a sua atenção enquanto as unhas ficam de lado.

 

por Cáren Cecília Baldo

Fonte: Clicrbs