Aviso
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/novembro/Símbolo-campanha-próstata4.jpg'
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/novembro/Símbolo-campanha-próstata4.jpg'

Notícias de Beleza

Câncer de próstata é o segundo que mais mata homens em Campinas, SP

Estudo indica que 10% das mortes por câncer foram por este tipo de tumor.
Estudo analisou óbitos de pessoas do sexo masculino em 2011 e 2012.

Símbolo-campanha-próstata4

Um mapeamento realizado em Campinas (SP) apontou que o câncer de próstata ficou em segundo lugar entre as doenças cancerígenas que mais mataram homens entre os anos de 2011 e 2012 na região. Segundo dados da pesquisa feita pelo Centro Colaborador em Análise de Situação da Saúde (CCAS), da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, a doença foi responsável por 10,6% dos óbitos por câncer.

A pesquisa do CCAS elaborou um boletim de mortalidade por câncer de próstata, que indicou, ainda, que as regiões que apresentam um nível socioeconômico mais baixo, como Jardim Santa Mônica, Dic 1 e Dic 3, apresentaram coeficientes mais elevados na taxa de mortalidade. Os dados do boletim revelam também que o índice de mortalidade por câncer nos brônquios ou pulmões é o primeiro na lista de óbitos por neoplasias.

O mapeamento constatou que o índice de mortalidade decorrente do câncer de próstata em homens acima dos 80 anos é de 40,7% do total de 145 homens que faleceram da doença nos anos de 2011 a 2012. O empresário aposentado Orlando Tomaz venceu a doença, mas considera-se um sortudo pelo desfecho do tratamento, já que ele ficou por três anos sem fazer consulta preventiva.

"Esse espaço de tempo foi muito ruim. É importante realmente que a gente tenha o acompanhamento médico anual. Por sorte, não aconteceu o pior comigo", fala.

Segundo o urologista Maurício Moreira, o aconselhável é que homens a partir dos 45 anos façam anualmente os exames de sangue para antígeno prostático específico e também do toque retal, já que os índices da doença tem um aumento significativo com a idade mais avançada.

Fonte: G1