Notícias de Beleza

120 mil vagas em salão de beleza no estado

Patrões reclamam da falta de mão de obra especializada para atender demanda de serviços no fim do ano

vagas-salao

Por: LUCILENE OLIVEIRA

Conseguir um horário na agenda de um salão de beleza no mês de dezembro não é tarefa fácil.

Todas as clientes querem arrumar o cabelo, fazer as unhas e cuidar da pele para as festas de Natal e Réveillon. Para dar conta dessa demanda, que chega a aumentar 40%, os salões abrem as portas para novas contratações.

O período é bom para os dois lados. Com mais serviço, empresários têm ganhos maiores no final do mês. Do outro lado, quem busca uma vaga de trabalho nesse setor encontra uma vasta oferta de oportunidades.

De acordo com a projeção do Sindebeleza (Sindicato dos Empregados em Instituto de Beleza e Cabeleireiros de Senhoras de São Paulo e Região), há 120 mil postos vagos nos salões de beleza em todo o estado de São Paulo.

A presidente do Sindebeleza, Maria Hellmeisper, explica que as oportunidades estão distribuídas e, para conquistar uma chances, é preciso bater nas portas e oferecer os serviços.

"A categoria é muito flutuante. Nem mesmo o sindicato consegue precisar a quantidade exata de vagas no setor porque existe uma pulverização. Mas a expectativa é que nesta época aumente em 20% o número de trabalhadores.

No estado existem, em média, 600 mil profissionais na área e, em dezembro, cerca de 120 mil devem conseguir uma colocação", diz.

O DIÁRIO também fez um levantamento e encontrou 1.091 chances nos centros públicos de emprego e em sites especializados (confira na tabela ao lado). As maiores chances são para manicure e pedicure, com 430 oportunidades, seguida do cargo de esteticista, com 347 vagas abertas.

"Quem está começando agora ou principalmente as pessoas que acabaram de fazer um curso na área da beleza precisam ficar atentas porque esta é a melhor hora para conseguir um emprego", diz a cabeleireira Maria da Conceição Rabelo Cayses, de 54 anos, que há sete anos trabalha no salão Orion. Maria explica que a equipe de cabeleireiros do salão foi reforçada para atender a alta temporada, mas ainda falta mão de obra para completar o quadro de manicure.

A dificuldade para contratar esse tipo de profissional não é uma exclusividade do Orion. A cabeleireira Joseli Teixeira de Souza, 30, que acabou de montar o próprio salão, também enfrenta o mesmo problema.

"Tem muitos salões precisando de manicure e falta gente para trabalhar. Quando as clientes querem fazer a unha eu explico que ainda estamos procurando uma profissional", diz Joseli.

ENTREVISTA com Maria Hellmeisper, presidente do Sindebeleza

DIÁRIO_ Como é o setor de beleza em São Paulo?

MARIA HELLMEISPER_ Aqui está instalado o maior polo de cosméticos da América Latina. Quase 400 empresas estão instaladas só em Diadema, para você ter uma ideia do tamanho desse mercado.

O que muda com a regulamentação da profissão?
Aumenta o número de profissionais com carteira assinada e influencia na oferta de trabalho. Com o tempo vai diminuir o número de profissionais que trabalha sem registro.

Qual o perfil desses profissionais?
O setor é formado por maioria mulher, em um total de 92%.
Existem chances de os temporários serem contratados?
Devido ao crescimento do mercado, o temporário tem grandes chances de ser efetivado sim.

Cabeleireiros se organizam para atender a todos

Depois de fazer um curso de cabeleireiro, manicure ou esteticista, o próximo passo é conquistar a clientela. As irmãs Janicleide e Joseli Teixeira de Souza conseguiram montar o próprio salão depois de concluir o curso de cabeleireiro e de depilação no Instituto Embelleze. Este é o primeiro dezembro das irmãs no ponto comercial que montaram no Jaguaré.

"Nós estamos agendando as clientes para conseguir dar conta. Se tudo acontecer como o planejado, vamos contratar mais gente no próximo ano", diz Joseli.

Diferentemente das irmãs, Rosemeire de Oliveira Cairaro, 50, tem experiência com o aumento da demanda em dezembro. Desde 2005 já foram oito natais. "Eu restrinjo o atendimento só para os clientes fiéis. Nesta época, não abro a agenda para os clientes novos porque não dou conta."

 

 

Fonte: Dia a Dia