Aviso
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/2014/março/154192405.jpg'
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/2014/março/175129675.jpg'
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/2014/março/154192405.jpg'
  • Lack of access rights - File '/images/stories/2013/2014/março/175129675.jpg'

Notícias de Beleza

‘Selfies’ ajudam a detectar câncer e outros problemas de pele

154192405

O primeiro passo rumo ao fim das longas filas e tempos de espera em hospitais está acontecendo com a ajuda da tecnologia e da cultura mobile. Um estudo recente mostrou que médicos são capazes de diagnosticar problemas dermatológicos de longe com base em fotos que tiramos de nós mesmos pelo smartphone.

 
Dermatologistas que haviam avaliado pacientes hospitalizados remotamente — através de fotos e outras informações de saúde — chegaram às mesmas conclusões que aqueles que os examinaram em pessoa. Diante dos resultados, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia profetizam a “teledermatologia” como uma maneira viável de cuidar daqueles que não têm acesso direto a dermatologistas.
 

175129675Dr. Misha Rosenbach, autor da pesquisa, contou ao jornal médico JAMA Dermatology que as únicas discordâncias entre os médicos presentes e remotos ocorreram em relação a como conduzir o tratamento. Ao mesmo tempo, ambos concordaram com o diagnóstico um do outro. Além disso, quando pediram amostras da pele para análise, profissionais que examinaram os pacientes em carne e osso e aqueles que analisaram as ‘selfies’ estavam alinhados em 95% das vezes.

Para saber o quão confiável o diagnóstico remoto através dos autoretratos realmente é, os cientistas compararam as prescrições de um médico que atendeu 50 pacientes em pessoa àquelas feitas aos mesmos pacientes através da teledermatologia.

Por outro lado, há diversas implicações em ter os médicos certos no lugar certo para cuidar dos pacientes, disse ele à Reuters Health. Diretor do Departamento de Dermatologia da universidade, Rosenbach e seus colegas alertaram que muitos hospitais não possuem especialistas disponíveis para consultas. Ao usar a teledermatologia, médicos em outros hospitais ou mesmo em casa poderiam analisar as imagens e enviar recomendações, sugerem eles.

Pesquisas anteriores em sua maioria avaliavam o uso da teledermatologia por pacientes que usavam as câmeras do telefone para enviar fotos de verrugas ou lesões suspeitas a dermatologistas.

Em outro trabalho publicado no JAMA Dermatology, um grupo de pesquisadores buscava descobrir através de pesquisas anteriores como os pacientes de alto risco selecionam quais lesões ou verrugas fotografar. Liderado por Monika Janda da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália, os cientistas informaram que as pessoas tendem a fotografar lesões nos braços, rosto, pernas, ombros e costas. Os locais mais evitados eram região genital e “áreas difíceis de enxergar”. Eles concluíram que quem obtém ajuda a partir de autoavaliações e aqueles que aumentam o número de autoavaliações que aplicam sobre si acabam deixando passar algumas verrugas e lesões sem perceber que elas estão lá.

Courtney Rubin e Dr. Carrie Kovarik, da equipe de Rosenbach, afirmam que a teledermatologia é promissora, embora alertam que os pacientes devam estar cientes de suas limitações. “Ele precisa entender as limitações do serviço de consulta provedor-paciente: acompanhamento e testes de diagnósticos são limitados pela informações fornecidas pelo paciente e a qualidade das fotografias”, concluíram elas.

E você, confiaria num diagnóstico feito a partir de uma selfie sua?

 

 

 

Fonte: Yahoo